Em meio a uma nuvem de poeira

Uma incrível nuvem de poeira passava e enquanto ele fechava os olhos pesava quanto tempo levaria para chegar no morro onde estava o carro que a pouco passara por ele, rindo continuou o caminho observando o pasto do lado esquerdo onde longe o sol se punha, e lembrando que se estivesse rápido como o carro talvez não pudesse ver o brilho do sol doirado beijado a grama verde, naquela tarde de verão, parou, sentou-se e esperou a lua tomar o céu de assalto.



...

Para manter, não perder ou esquecer .

Papel voando
perdido na gaveta
amassado, molhado
desmanchando
amarelado do tempo
esquecido, substituído
Pela tela
não tão bela
mas onde as palavras
soltas por um universo
onde pode o verso
mais longe chegar.
Livres palavras,
não mais aprisionadas
por tinta no papel
palavras digitadas
cristalizada em http://
disponíveis
pra qualquer um ver.